Nossa História

Nossa História

Nossa História

Torrefactor desde 1947

Café Las Antillas -Campos

Somos uma empresa torrefactora de Ourense, que com o passar das gerações tem se especializado em brindar os melhores cafés e distribuí-los por toda a geografia espanhola.

No início do século passado...

SABOR E TRADIÇÃO DE UM BOM CAFÉ

Toda a sabedoria que estima a família que dirige este tostadero de cafés, foi transmitido de geração em geração, e já são 4 os que se têm dedicado a esta atividade. 

O primeiro que aprendeu o ofício foi Antônio Álvares Rodríguez, que já tostava café durante sua estadia em Cuba. Casado com Joana, os dois iniciaram esta tradição familiar que continuaria anos depois, em Ourense, com a criação da empresa de torrefação de cafés O Águia, na década dos anos 30.

Em terras cubanas Antonio e Joana têm seus filhos, Domingo, João e Florêncio, que de regresso a Ourense trabalham com o pai, aprendendo o ofício. Em 1947, após o falecimento de Antonio, domingo segue com o tostadero A Águia, enquanto que João e Florencio fundam Cafés Las Antilhas, seguindo os ensinamentos do grande mestre que foi seu pai. 

O falecimento de Florencio Francisco assumiu a sucessão de seu sobrinho, político Luciano Oliveira, em nome e representação da fundação Florencio Álvarez, unificando as novas instalações, em 1995, ambas as marcas na atual endereço em Ourense.

Luciano Figueiredo em uma plantação de café na Guatemala

1ª Foto: Recibo de entrega de café.

2ª Foto: Loja de Cafés Las Antilhas localizada em Leão.

Las Antillas - Campos

PERÍODO DE EXPANSÃO

Depois de atravessar tempos difíceis, Cafés Las Antilhas começa a se expandir, primeiro para a região galega para, pouco a pouco, ir chegando aos lugares mais próximos, como um Leão ou Campinas e, posteriormente, adentrar-se em Madrid, Barcelona, Navarra, Braga, Porto e Valência, entre outros.

Especificamente em Leão, a empresa contava com duas lojas distribuidoras exclusivas de seus produtos, que permanece aberta que se mantém hoje em dia, tal como foi concebida na década dos anos 60.

De igual modo, em Ourense perduram dois estabelecimentos Las Antilhas – Campos (Campos, de 1920 Capitão Eloy, e As Antilhas de 1950, em Ribeiriño) que conservam o charme das lojas de antes, e se mantêm, mesmo com o mobiliário e decoração dos famosos coloniais da época. Nelas o cliente, além de encontrar um produto de excelente qualidade, você pode sentir que se muda de época, viajando para frente e para trás no tempo mais de meio século.

No início do século passado...

UM PROCESSO ARTESANAL

Desde as plantações da América, Ásia ou África, até a caneca em um coma em casa ou no café, a transformação que experimenta o café tem tanto trabalhosa, como de surpreendente, não só pela quantidade de pessoas que envolve o seu cultivo e colheita, mas pela complexidade.

A colheita, que ocorre duas vezes por ano, é feito inteiramente à mão, pois, por ser uma planta de montanha os caminhos são de difícil acesso e obrigam o agricultor a deixar a mula no alto da encosta para continuar a pé. Após a recolha é o despulpado da cereja, o fruto do cafeeiro que contém o grão. Em seguida, completam o processo de lavagem e secagem dos grãos, após o qual se selecionam, fazendo uma peneira manual pelo seu calibre e qualidade. Uma vez preparados, embalados em sacos, que são os que chegam até os tostaderos de café.

O barco, que chega ao porto de Barcelona, é o meio de transporte deste produto que se adquire em dólares na bolsa de Nova York e Londres. Para isso, os tostaderos contam com uma sociedade e uma pessoa especializada, que está pendente de flutuações, pois de um dia para o outro a um carregamento pode experimentar variações de milhares de dólares.

Granos de café secandose
Grano de café recolectado

Processo de secagem do fruto do café.

Molinillos de café
Tienda en el Puente

1ª Foto: clássicos Moinhos de café.

2ª Foto: Loja de Cafés Cafés Las Antilhas-Campos, localizada na Rua Ribeiriño, Ourense.

Las Antillas - Campos

Novas tendências e café solidário

Atento sempre as tendências do mercado, Cafés Las Antilhas – Campos foi o primeiro tostadero galego em elaborar café orgânico, cultivado com adubação natural e sem produtos químicos nas plantações.

Seguindo o espírito de trabalhar unidos, que deu seus antecessores, las Antillas – Campos participa como Sócio Fundador, em 1989, Torradeiras, Reunidos S.A. Esta sociedade, que reúne 25 empresas espanholas do setor, surge com o objetivo de funcionar como uma grande central de compras para todos os seus membros, ao mesmo tempo em que desenvolvem outras atividades em comum.

Cafés Las Antillas -Campos adquiriu o compromisso de oferecer aos seus clientes um Café socialmente responsável. Como parceiro de Panelas Reunidos, s. a. trabalha em um projeto de cooperação em áreas rurais, plantações de café latino-americanas (Salvador, Honduras...), desenvolvido pela ONG CESAL.

(Mais informações do Projeto em: www.cesal.org)

Através de doações desta e de outras entidades parceiras, promove-se a formação profissional para jovens em situação de risco social nestas áreas, fomentando também o comércio justo com os produtos que ali são cultivadas.

No início do século passado...

SABOR E TRADIÇÃO DE UM BOM CAFÉ

Toda a sabedoria que estima a família que dirige este tostadero de cafés, foi transmitido de geração em geração, e já são 4 os que se têm dedicado a esta atividade. 

O primeiro que aprendeu o ofício foi Antônio Álvares Rodríguez, que já tostava café durante sua estadia em Cuba. Casado com Joana, os dois iniciaram esta tradição familiar que continuaria anos depois, em Ourense, com a criação da empresa de torrefação de cafés O Águia, na década dos anos 30.

Em terras cubanas Antonio e Joana têm seus filhos, Domingo, João e Florêncio, que de regresso a Ourense trabalham com o pai, aprendendo o ofício. Em 1947, após o falecimento de Antonio, domingo segue com o tostadero A Águia, enquanto que João e Florencio fundam Cafés Las Antilhas, seguindo os ensinamentos do grande mestre que foi seu pai. 

Las Antillas - Campos

PERÍODO DE EXPANSÃO

Depois de atravessar tempos difíceis, Cafés Las Antilhas começa a se expandir, primeiro para a região galega para, pouco a pouco, ir chegando aos lugares mais próximos, como um Leão ou Campinas e, posteriormente, adentrar-se em Madrid, Barcelona, Navarra, Braga, Porto e Valência, entre outros.

Especificamente em Leão, a empresa contava com duas lojas distribuidoras exclusivas de seus produtos, que permanece aberta que se mantém hoje em dia, tal como foi concebida na década dos anos 60.

De igual modo, em Ourense perduram dois estabelecimentos Las Antilhas – Campos (Campos, de 1920 Capitão Eloy, e As Antilhas de 1950, em Ribeiriño) que conservam o charme das lojas de antes, e se mantêm, mesmo com o mobiliário e decoração dos famosos coloniais da época. Nelas o cliente, além de encontrar um produto de excelente qualidade, você pode sentir que se muda de época, viajando para frente e para trás no tempo mais de meio século.

Grano de café recolectado

No início do século passado...

UM PROCESSO ARTESANAL

Desde as plantações da América, Ásia ou África, até a caneca em um coma em casa ou no café, a transformação que experimenta o café tem tanto trabalhosa, como de surpreendente, não só pela quantidade de pessoas que envolve o seu cultivo e colheita, mas pela complexidade.

A colheita, que ocorre duas vezes por ano, é feito inteiramente à mão, pois, por ser uma planta de montanha os caminhos são de difícil acesso e obrigam o agricultor a deixar a mula no alto da encosta para continuar a pé. Após a recolha é o despulpado da cereja, o fruto do cafeeiro que contém o grão. Em seguida, completam o processo de lavagem e secagem dos grãos, após o qual se selecionam, fazendo uma peneira manual pelo seu calibre e qualidade. Uma vez preparados, embalados em sacos, que são os que chegam até os tostaderos de café.

O barco, que chega ao porto de Barcelona, é o meio de transporte deste produto que se adquire em dólares na bolsa de Nova York e Londres. Para isso, os tostaderos contam com uma sociedade e uma pessoa especializada, que está pendente de flutuações, pois de um dia para o outro a um carregamento pode experimentar variações de milhares de dólares.

Granos de café secandose

Las Antillas - Campos

Novas tendências e café solidário

Atento sempre as tendências do mercado, Cafés Las Antilhas – Campos foi o primeiro tostadero galego em elaborar café orgânico, cultivado com adubação natural e sem produtos químicos nas plantações.

Seguindo o espírito de trabalhar unidos, que deu seus antecessores, las Antillas – Campos participa como Sócio Fundador, em 1989, Torradeiras, Reunidos S.A. Esta sociedade, que reúne 25 empresas espanholas do setor, surge com o objetivo de funcionar como uma grande central de compras para todos os seus membros, ao mesmo tempo em que desenvolvem outras atividades em comum.

Cafés Las Antillas -Campos adquiriu o compromisso de oferecer aos seus clientes um Café socialmente responsável. Como parceiro de Panelas Reunidos, s. a. trabalha em um projeto de cooperação em áreas rurais, plantações de café latino-americanas (Salvador, Honduras...), desenvolvido pela ONG CESAL.

(Mais informações do Projeto em: www.cesal.org)

Através de doações desta e de outras entidades parceiras, promove-se a formação profissional para jovens em situação de risco social nestas áreas, fomentando também o comércio justo com os produtos que ali são cultivadas.

Molinillos de café
Tienda en el Puente

No início do século passado...

SABOR E TRADIÇÃO DE UM BOM CAFÉ

Toda a sabedoria que estima a família que dirige este tostadero de cafés, foi transmitido de geração em geração, e já são 4 os que se têm dedicado a esta atividade. 

O primeiro que aprendeu o ofício foi Antônio Álvares Rodríguez, que já tostava café durante sua estadia em Cuba. Casado com Joana, os dois iniciaram esta tradição familiar que continuaria anos depois, em Ourense, com a criação da empresa de torrefação de cafés O Águia, na década dos anos 30.

Em terras cubanas Antonio e Joana têm seus filhos, Domingo, João e Florêncio, que de regresso a Ourense trabalham com o pai, aprendendo o ofício. Em 1947, após o falecimento de Antonio, domingo segue com o tostadero A Águia, enquanto que João e Florencio fundam Cafés Las Antilhas, seguindo os ensinamentos do grande mestre que foi seu pai. 

Las Antillas - Campos

PERÍODO DE EXPANSÃO

Depois de atravessar tempos difíceis, Cafés Las Antilhas começa a se expandir, primeiro para a região galega para, pouco a pouco, ir chegando aos lugares mais próximos, como um Leão ou Campinas e, posteriormente, adentrar-se em Madrid, Barcelona, Navarra, Braga, Porto e Valência, entre outros.

Especificamente em Leão, a empresa contava com duas lojas distribuidoras exclusivas de seus produtos, que permanece aberta que se mantém hoje em dia, tal como foi concebida na década dos anos 60.

De igual modo, em Ourense perduram dois estabelecimentos Las Antilhas – Campos (Campos, de 1920 Capitão Eloy, e As Antilhas de 1950, em Ribeiriño) que conservam o charme das lojas de antes, e se mantêm, mesmo com o mobiliário e decoração dos famosos coloniais da época. Nelas o cliente, além de encontrar um produto de excelente qualidade, você pode sentir que se muda de época, viajando para frente e para trás no tempo mais de meio século.

No início do século passado...

UM PROCESSO ARTESANAL

Desde as plantações da América, Ásia ou África, até a caneca em um coma em casa ou no café, a transformação que experimenta o café tem tanto trabalhosa, como de surpreendente, não só pela quantidade de pessoas que envolve o seu cultivo e colheita, mas pela complexidade.

A colheita, que ocorre duas vezes por ano, é feito inteiramente à mão, pois, por ser uma planta de montanha os caminhos são de difícil acesso e obrigam o agricultor a deixar a mula no alto da encosta para continuar a pé. Após a recolha é o despulpado da cereja, o fruto do cafeeiro que contém o grão. Em seguida, completam o processo de lavagem e secagem dos grãos, após o qual se selecionam, fazendo uma peneira manual pelo seu calibre e qualidade. Uma vez preparados, embalados em sacos, que são os que chegam até os tostaderos de café.

O barco, que chega ao porto de Barcelona, é o meio de transporte deste produto que se adquire em dólares na bolsa de Nova York e Londres. Para isso, os tostaderos contam com uma sociedade e uma pessoa especializada, que está pendente de flutuações, pois de um dia para o outro a um carregamento pode experimentar variações de milhares de dólares.

Granos de café secandose
Grano de café recolectado

Las Antillas - Campos

Novas tendências e café solidário

Atento sempre as tendências do mercado, Cafés Las Antilhas – Campos foi o primeiro tostadero galego em elaborar café orgânico, cultivado com adubação natural e sem produtos químicos nas plantações.

Seguindo o espírito de trabalhar unidos, que deu seus antecessores, las Antillas – Campos participa como Sócio Fundador, em 1989, Torradeiras, Reunidos S.A. Esta sociedade, que reúne 25 empresas espanholas do setor, surge com o objetivo de funcionar como uma grande central de compras para todos os seus membros, ao mesmo tempo em que desenvolvem outras atividades em comum.

Cafés Las Antillas -Campos adquiriu o compromisso de oferecer aos seus clientes um Café socialmente responsável. Como parceiro de Panelas Reunidos, s. a. trabalha em um projeto de cooperação em áreas rurais, plantações de café latino-americanas (Salvador, Honduras...), desenvolvido pela ONG CESAL.

(Mais informações do Projeto em: www.cesal.org)

Através de doações desta e de outras entidades parceiras, promove-se a formação profissional para jovens em situação de risco social nestas áreas, fomentando também o comércio justo com os produtos que ali são cultivadas.

Molinillos de café
Tienda en el Puente

Entrevista a Marco Oliveira

Gerente de Cafés Las Antilhas-Campos